Ads 468x60px

Redes Sociais

twitter linkedinrss feedemail

sábado, 30 de junho de 2018

Você sabe a diferença entre surdez e deficiência auditiva?

Você sabe a diferença entre surdez e deficiência auditiva?

Você sabe a diferença entre surdez e deficiência auditiva?
Diferença entre surdez e deficiência auditiva
Vejamos a diferença entre surdez e deficiência auditiva. É considerada pessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experiências visuais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Língua Brasileira de Sinais - Libras (Decreto nº 5.626/2005). O surdo escuta com os olhos e fala com as mãos.

Vale salientar que a perda auditiva não se confunde com deficiência auditiva.

A perda auditiva pode ser uni ou bilateral, mas para ser considerada pessoa com deficiência auditiva esta tem que apresentar perda auditiva em ambos os ouvidos, seja ela parcial ou total. 

De acordo com o Decreto nº 3298/99, a pessoa  é considerada com deficiência auditiva quando só escuta, em ambos os ouvidos,  sons acima de 41 decibéis.

Só para exemplificar, a voz humana é produzida entre 20 e 40 decibéis. Quem tem perda auditiva severa, ou seja, só escuta sons a partir de 70 decibéis, a voz humana é totalmente incompreensível.  

Estudo realizado em sala de aula mediu a intensidade da voz do professor a 30 cm de sua boca que foi de 70 decibéis,  e a  60 cm a intensidade já havia caído para 60 decibéis. Isto quer dizer que um aluno que tem deficiência auditiva severa e senta em uma carteira a 1 metro do professor, cuja voz, nesta distância, já se torna incompreensível, traz sérios transtornos de aprendizagem e socialização. 

O médico especialista prescreverá de acordo com as particularidades de cada caso o uso do Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI) ou o Implante Coclear,  que será essencial para tirar a pessoa com Deficiência auditiva de um mundo silencioso e incompreensível para um onde poderá identificar cada som de forma clara. 

Esse vídeo foi feito, especialmente, para chamar a atenção dos adultos sobre a deficiência auditiva em crianças que muitas vezes passa despercebida. Meu sobrinho, que tem síndrome de down, foi diagnosticado com perda auditiva de grau severo a profundo, e só foi diagnosticado por causa da minha irmã que não se conformava com diagnóstico de que ele não desenvolvia a linguagem oral e só se comunicava por gestos devido a síndrome de down . 

Referências:
1) A criança com deficiência auditiva na escola: sistema de FM. Disponível em: http://portalsistemafm.fob.usp.br/wp-content/uploads/Livro.pdf
2) A criança com deficiência auditiva: da suspeita ao processo de reabilitação fonoaudiológica. Disponível em: http://letras.ufpel.edu.br/verbavolant/sexto/archivos_sexto13/speri.pdf
3) A pessoa com deficiência auditiva. Disponível em: http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/colecao-micropolitica-do-trabalho-e-o-cuidado-em-saude/a-pessoa-com-deficiencia-auditiva-pdf





                  Sempre atuando na Defesa de seu Direito à Saúde
A Lei só se torna eficaz quando conhecemos os nossos direitos

Permitida a reprodução do conteúdo publicado neste espaço, desde que registrada a autoria e citada a fonte.

Sobre a Autora:
Sobre Carla Pontes
Carla da Silva Pontes é editora de [Carla Pontes | Blog de Assuntos Jurídicos],  Advogada e  Membro da Comissão de Defesa dos Direitos de Pessoas com Deficiência; Especialista em Direito Civil, negocial e imobiliário; Especialista em Direito material e Processual do Trabalho; Formação Extensionista em Direito Médico e Bioética; Graduada em Fisioterapia com mestrado em Engenharia Biomédica pela UFPB.